Topcase Pamir – Review

Ainda eu era proprietário da NC700x e já andava a namorar as topcase da Pamir para fazer uma melhoria estética na mota e dar-lhe um aspecto mais aventureiro. Quis o destino que entretanto a minha decisão fosse a de vender a NC e comprar uma Africa Twin, que curiosamente já trazia equipada uma topcase Pamir. Foi o início desta história!

Africa Twin com topcase Pamir
Africa Twin com topcase Pamir

A Pamir é uma pequena empresa Portuguesa que fabrica topcase e malas laterais para moto cujo propósito é o de aguentar uma viagem ou passeio por caminhos acidentados sem ter que as desmontar por perigo de quebra. Como a maioria das empresas, também esta surgiu por necessidade do seu proprietário de ter acesso a um equipamento fiável mas também economicamente acessível, para enfrentar uma viagem a Marrocos. Assim, manteve-se o propósito de fabricar algo económico e adaptado ao público português, bastando um clique na loja online da marca para perceber que os preços destas malas face à concorrência das marcas conhecidas, vendidas nas comuns lojas de moto, são inferiores.

Como refiro no início do artigo, eu não passei pelo processo de aquisição das malas, pelo que não consigo transmitir a experiência neste aspecto em particular. No entanto falo com muitas pessoas e sei que este é o processo mais complexo, quando comparado com a aquisição de outra qualquer mala numa loja, tornando-se relativamente mais fácil se for possível ao cliente deslocar-se até Gondomar, onde está sediada a empresa. Sei também, através do antigo proprietário da minha moto, que a resolução de problemas existe e que o envio de peças pelo correio para substituir uma qualquer anomalia é fácil. Aconteceu com o canhão da fechadura da minha mala.

Topcase Pamir
Perspectiva da fechadura Pamir

Quanto à utilização em si é muito mais fácil para mim de falar e é sobre isso que quero incidir este artigo!

Eu tenho na minha moto uma Topcase Pamir de 35L, onde cabe um capacete de qualquer tipo e formato. Dependendo do tamanho, graças à profundidade da mala, consigo por vezes guardar um casaco de verão ou outro sem protecções juntamente com o capacete, e isso para mim é um grande alívio, especialmente em dias de Verão quando tudo o que apetece é andar leve e fresco!

LS2 capacete em mala Pamir
Interior da mala com capacete (tamanho M)

Devido à pequena dimensão da mala, aquilo que para mim não é possível é ir passar um fim de semana de actividades variadas confiando apenas na capacidade de carga da topcase. Nesses casos preciso de desmontar a mala e confiar apenas na enorme base de apoio da Pamir para colocar o malote e dar-lhe aperto, com estabilidade. De facto, esta base de apoio tem uma dimensão de sensivelmente o dobro quando comparada com a base de apoio original da moto que, mesmo sem topcase em cima, para mim é uma mais valia para quem queira adicionar carga à traseira da moto, até pela sua robustez.

Malote preso à base de apoio da Pamir

A desmontagem ou montagem da topcase é feita por dentro da mala, através das porcas de fixação. Por esse motivo, colocar ou retirar a topcase do suporte é um processo algo moroso e que desmotiva logo à partida qualquer intenção de a desmontar para um determinado passeio, mas é precisamente esse processo que permite que esta seja estável e não abane, tornando-se uma peça única com a moto e sendo sentida como isso mesmo, ao invés de um acessório amovível.

Não abana, logo não ganha folga e, felizmente para mim, nunca partiu nem deu sinais disso. É por isso que para passeios curtos fora de estrada com amigos eu já não desmonto a topcase e vou assim mesmo, com uma caixa na traseira da moto. Se ao início se riam de mim, agora até pedem para guardar luvas, casacos, ou até mochilas depois de rasgarem. Tornou-se uma forma de ter capacidade de transporte em fora de estrada.

Offroad Africa Twin com topcase Pamir
Fora de estrada com a Topcase montada

A meu ver, a topcase tem apenas um ponto sensível no seu interior: o travão da tampa. É um pequeno cabo de aço fixo com rebites nas extremidades e que, após uma valente rajada de vento que lhe ofereceu resistência, partiu. Não me dei ao cuidado de o substituir ou arranjar, até porque a mala continua totalmente funcional sem risco de quebra.

Interior da Topcase Pamir
Pormenor do ponto de quebra do travão da tampa

Para completar, o aspecto mais subjectivo de todo este review é relativo à estética: eu pessoalmente adoro as malas em cinzento e acho que são o match ideal para a minha moto. As malas são bonitas e combinam totalmente com o segmento em que se inserem: o da Aventura. Estes gostos, por serem subjectivos, podem defender a criação de malas em outras cores ou formatos, mas é algo a que o seu fundador poderá responder de forma concreta. Eu encontro-o frequentemente pelos grupos de motos no Facebook, com certeza que desse lado também o encontrarão!

Topcase aberta
Encosto para o pendura
Vista lateral da topcase

Boas aventuras!

Deixa aqui o teu comentário