Noiva da Roca

Domingo de manhã. Acordamos ao mesmo tempo e eu pergunto: “Sempre vamos andar de mota?”

Tinha sugerido sexta à noite todo um planeamento para o fim de semana, sendo que a mota estaria incluída no domingo de manhã. Deixei a ideia germinar, reacendendo a vontade numa ou outra situação pontual de sábado. A Marta foi sempre dizendo que sim, ainda que meio ressentida das difíceis férias que vivemos, como boa motard que é!

Eu sabia que a volta não podia ser longa! Sabia também que ela gosta de sentir que não está sozinha, em nada do que faz! Sei que ela gosta do ambiente motard: a despreocupação, a liberdade, o convívio e a circulação em grupo…ela nunca contém um “wow” quando faz parte de um grupo de motores ávido por puxar um par de rodas pelo asfalto fora!

Na minha cabeça a dúvida é apenas uma: Espichel ou Roca? Simples: eu quero o mínimo de exposição ao desagrado possível – quero recuperar o prazer de andar de mota aos olhos da Marta e que ela faça parte da minha vida enquanto motard, tal como quero que a mota faça parte da nossa vida enquanto casal – por isso o Cabo Espichel é má hipótese. Possíveis ventos laterais na ponte, calor que pode estar intenso na margem sul do Tejo, a distância que é longa. Cabo da Roca é a escolha vencedora, melhor ainda que eu procuro qualquer desculpa para ir a Sintra: Vila Romântica, de encanto por cada recanto, de frescura e excelente doçaria, que nem chegámos a saborear desta vez!

Vesti-me, passeei o cão e aguardei. Não há mota ou capacete que retire a vaidade a uma mulher, ou que alivie o homem daqueles minutos a aguardar com suspense pela sua amada, companhia para o seu dia.

IC19 fora, estamos em Sintra. A Marta ainda não sabe bem onde vamos, pois eu segui à direita onde geralmente viro à esquerda para passear na Vila, junto ao palácio. Inevitável é o cruzamento com o primeiro casal motard e o primeiro cumprimento, que fiz questão de ensinar à Marta, não fosse eu estar demasiado ocupado a manobrar a mota ou até a sorrir, pela alegria do dia!

Como não sorrir, se estou a andar de mota (algo que eu amo) com a Marta (aquela que eu amo) em Sintra (localidade que amo) sem pressa (raro durante o ano)? Como não amar, se constato o óbvio de uma situação óbvia, através da pessoa menos óbvia: Eu cumprimento um, dois, três e mais motociclistas sem resposta, até dizer em tom irónico, experiente da situação:

Mal educados pá!

Ao que a Marta remata:

Há quem só ande de mota, e depois há os motards. 

Estou deveras ocupado, ao ponto de ter dores na bochecha, tal é a dureza da lavoura. Como não amar?

A quantidade crescente de motas que nos ultrapassa não deixa enganar: estamos a chegar! A minha surpresa resulta, logo ao cortar da curva pós farol, e sou brindado com um espontâneo e espantado “Eish!”. Como eu desejava ver a expressão dela! Senti naquele momento que uma mota peca por não permitir que os tripulantes se encarem…senti a saudade que se cria, apesar de uma proximidade palpável, satisfeita no momento de retirar os capacetes, com os pés no chão, fora da mota.

Concentração Motard
Cabo da Roca ao Domingo de Manhã

Paro a mota, deixo-a sair e começo a minha logística de tirar óculos, capacete e arrumar tudo. Quando acabo olho em volta, para encontrar a Marta na outra ponta do “recinto”, de telemóvel em riste, esse meu manómetro de sucesso! Se ela está a tirar fotos aleatórias, com histórias do Instagram à mistura e um sorriso na cara, só tenho de disfrutar, porque já a consegui agradar.

A Meca Motard da margem Norte ao domingo de manhã é um local especial, cujo oxigénio se respira de forma mais leve, ainda que ligeiramente temperado pela combustão de gasolina da centena de motos ali presentes!

Esta é uma tradição que se vive mais junto das R’s e Naked’s, que naturalmente preenchem a maior parte do espaço, mas é especialmente uma tradição de motards, e esses não distinguem estilos de mota, pelo que qualquer um que encaixe no perfil se sente em casa.

Qual é o perfil de um Motard? O Terra, Rocha e Alcatrão tentará explicar, mas se não sabes é porque provavelmente não o és…ainda!

One thought on “Noiva da Roca”

Deixa aqui o teu comentário